Entrevista Michelle Jatobá

Michelle Jatobá, 26 anos.

Sou bacharel em direito e assistente jurídica.


Mih 02

Na verdade, eu comecei a sofrer preconceito por ser obesa e acabei desenvolvendo anorexia. Mesmo depois de magra, eu me olhava no espelho e me enxergava obesa. Começou com: “a gordinha, baixinha, cdf” da escola. Eu sempre era rotulada por isso. Mas depois, o tempo passou, eu emagreci e virei “a esquelética”, aquela que o vento bateu e levou. Geralmente era disso para pior.

As pessoas não olhavam para mim como eu, Michelle, olhavam pelo defeito (a aparência). Sempre reparavam em algum defeito na minha aparência e ficavam me rotulando de alguma coisa.

Mih 03

Sofrer preconceito me afetou bastante, principalmente psicologicamente. Quando me chamavam de gordinha, eu só sabia que queria ficar magra, mas eu não sabia como, então simplesmente parava de comer. Eu escondia comida, evitava sair de casa. Eu não queria que ninguém me visse, por isso acabei praticamente com toda a minha vida social.

Um episódio que me marcou durante este período foi quando eu já havia começado a faculdade de direito e passou alguns meninos por mim no corredor e eles começaram a me zoar: “eita, a baleia fora d’água”, “como é que essa criatura vai entrar no tribunal? Vai afundar!”.

Então eu parei, olhei pra mim e falei: a partir de hoje eu não vou ser mais assim, eu vou mudar.

Eu comecei a procurar tratamentos médicos, até que eu vi também que o problema não era mais só o fato de eu ser gordinha, eu estava com problemas metabólicos e por isso eu não conseguia ficar magra. Foi quando foi necessário eu fazer uma redução de estomago, mas eu também tive um problema durante a cirurgia. Por conta deste problema, eu comecei a ver a vida de uma forma diferente.

Comecei a questionar como as pessoas poderiam ver as outras de outra forma que só observam as diferenças. Cheguei a conclusão que não devemos ver as coisas com preconceito ou julgamentos, devemos ser um exemplo!

Mih 04

Sempre tem essas brincadeiras idiotas. Pessoas que ficam olhando e que ficam colocando defeitos. Tem gente que olha pra mim e quando vem conversar comigo olham para o meu principal defeito, que é o meu braço (hoje em dia ele ainda está gordinho) ao invés de olhar para o meu rosto, para os meus olhos. Ficam olhando para o defeito, mas sabe, eu não estou nem ai! Tchau e benção.

O que eu levei para mim disso tudo, foi que as pessoas são difíceis de lidar mas que você deve se aceitar. Você tem que se aceitar, se amar antes de tudo e fazer com que as pessoas te olhem de uma forma diferente. Não é porque simplesmente você é gordinha que você não pode se sentir bem.

Quando você começar a se sentir bem, as pessoas param de te rotular.

Mih 01

Antigamente eu ficava muito irritada, eu revidava. Eu tentava colocar todas as minhas angústias e ansiedades para fora todas as vezes que eu era atacada. Já hoje em dia, todas as vezes que alguém fala alguma coisa, sei lá, coisas até que eu não concordo, eu simplesmente silencio. Acho que é a melhor resposta!

Faz alguns dias que eu passei por uma situação extrema de preconceito, de humilhação. Julgo ser a pior situação da minha vida. Minha anorexia voltou, passei dias sem comer, desmaiei e quando finalmente me vi acordada, eu estava no hospital. Foi horrível, fizeram eu me sentir um lixo. Eu estava em uma fase muito feliz, apesar de alguns problemas pessoais e familiares, mas esse episódio que passei, realmente me desequilibrou um pouco, me deixou bastante nervosa.

A pessoa que praticou o preconceito comigo olha apenas os defeitos alheios e esquece de se auto julgar. Nós somos constantemente julgados pelo conceito midiático imposto, pelas famílias tradicionalistas, pela ambição e por um parâmetro de valor que, ao meu ver, o caráter não tem vez.  Durante todo esse tempo eu me transformei em uma pessoa cheia de marcas, e diferente do que algumas pessoas esperam, eu também não sou rica como esperam que eu seja e não sigo todos os critérios de padrão social que desejam me moldar.

Essas coisas acontecem para a gente evoluir!

Mih 05

O que eu posso dizer para as pessoas que passam por situações como as minhas é que se você não está contente do jeito que está, procure ajuda, principalmente psicológica. Depois disso, procure ajuda médica, caso queira emagrecer. Porque principalmente você precisa ter saúde. A sua saúde não tem preço! O que eu posso dar de conselho é que só façam cirurgia se for caso de saúde e for realmente preciso, porque só estética, as vezes pode não valer a pena, isso também pode virar um sofrimento sem fim.

♬) Uma música que quebra o meu silêncio é: Demi Lovato @ Believe In me.

Anúncios

6 comentários sobre “Entrevista Michelle Jatobá

  1. Adorei ver você “quebrando o silêncio” Mih, acompanhei seu caso pelas redes sociais e sei na pele o que é sofrer preconceitos, ter que passar por procedimentos cirúrgicos sem fim, e por aí vai! Você superou e é um exemplo de superação! 👏👏👏

    Curtir

    • Jessyca você também é. Só quem passou por esses procedimentos sem fins, que já ficou em coma, que teve infecção generalizada sabe a dor que é física, a psíquica, e o apoio como é importante. Você também é mega guerreira e eu me orgulho demais de você. Beijo grande.

      Curtir

  2. Grande exemplo de superação Michelle. Infelizmente nossa sociedade é assim, aparência, cor da pele, status social e tantas outras coisas que julgam serem importantes para avaliação de alguém. O importante é não darmos ouvido a críticas destrutivas e estarmos sempre bem e felizes com o nosso “eu”.

    Curtir

    • É verdade Emanoel, buscar o equilibrio é a solução. Não importa onde você vá, você vale o que você tem, e a sua aparência te faz ser bem tratado ou não. De qualquer forma, espero que o texto sirva de reflexão e que diminua esses preconceitos ridículos. Grande abraço.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s